Moto G DTV – O smartphone da Motorola que está assustando a concorrência


     O que já era bom ficou melhor. A segunda geração do Moto G, smartphone de ouro da Motorola, veio para abalar o mercado e deixar as concorrentes com medo.

Design, tela e agora tem TV Digital

     A tela, agora de 5 polegadas, é coberta pelo vidro Gorilla. O design não mudou nada em relação à geração anterior, está apenas um pouco mais largo e comprido. Pesando só 6 gramas a mais que o irmão mais velho, a 2ª geração veio com 149 gramas. O Moto G DTV veio com dois filetes de metal inseridos na parte de cima e de baixo da tela. Estes relevos servem para proteger a tela quando o celular é apoiado em alguma superfície. O alto-falante está na frente do Moto G. Esqueça aquele que ficava do lado da câmera nos modelos antigos. Os controles de volume e o botão de liga/desliga continuam de metal fino, porém robustos. Este Moto G vem com as capas nas cores preta e azul turquesa disponíveis. A tela TFT IPS com resolução HD (1280 x 720 pixels) possui uma ótima resposta de toque e transitar pelas telas é super fácil. Assistir a vídeos se torna uma boa experiência, já que eles rodam sem dificuldade e agora que os alto-faltantes estão na frente, o som fica bem melhor. Essa geração do Moto G veio com TV digital, sintonizando canais através da antena que conecta a cabo via P2. É possível ouvir o som pelos alto-falantes ou pelos fones de ouvido. As imagens ficam em baixa resolução mas dá para assistir sem problemas. O tamanho da tela não permite ver muitos detalhes como legendas ou o placar de jogos. O software permite ver a programação e gravar conteúdo.

Câmeras e desempenho

     A câmera principal fotografa em 8 MP, tem foco automático e manual, além de flash LED. O diferencial da vez é a configuração que veio igual a do Moto X. O acesso aos menus de ajustes fica bem mais fácil agora que é só deslizar a borda esquerda para o meio da tela que um meio círculo com todas as opções de ajuste irão aparecer. A qualidade das fotos melhorou devido à resolução que também aumentou. Nos ambientes bem iluminados, as fotos ficam muito boas. Os vídeos são gravados com resolução HD e ficam nítidos, dá para aproximar durante as gravações e vem com o recurso de câmera lenta. A câmera frontal clica com 1,3 MP e filma em HD, uma qualidade satisfatória para videochamadas. O processador é o Qualcomm Snapdragon 400 quad-core de 1,2 GHz e a GPU Adreno 305, que processa os gráficos, é da mesma fabricante. A memória RAM e o armazenamento interno possuem 1 GB cada. O Moto G tem uma porta para cartão de memória que suporta até 64 GB. O Android que vem de fábrica é o KitKat (4.4.4). Temos o Bluetooth 4.0 e rede Wi-Fi (802.11 b/g/n/ac). Não tem compatibilidade com a tecnologia NFC. A navegação pela internet e pelos aplicativos é bem tranquila. Assim como transitar entre os menus do sistema. Nada deu lag nem travou. Jogos como Beach Buggy Blitaz, Dead Trigger e Real Racing 3 rodaram os gráfico sem nenhum problema e a diversão foi garantida.

Assistente pessoal e bateria

     A segunda geração do Moto G decidiu trazer o Assist, assistente pessoal do Moto X. Esse assistente permite que o celular não perturbe seu usuário durante uma reunião, ou mesmo durante o sono. Enquanto você cumpre seus compromissos, o Assist recebe as ligações e envia uma mensagem para quem está ligando, avisando que você está ocupado e que retornará em breve. O modo dirigir reconhece quando seu usuário está dirigindo e avisa de novo, só que com um texto diferente: "estou dirigindo, ligo em breve". É um ótimo utilitário para quem é bem compromissado. O Moto G conta com uma bateria de 2070 mAh de capacidade. Num uso intenso, este smartphone aguenta até à noite. Já com um uso moderado, ele faz o esperado e dura um pouco mais. Vale lembrar que a TV acaba consumindo bem a bateria. De qualquer forma, melhor não esquecer de deixá-lo carregando durante a noite.

Conclusão

     Melhorando a tela, a expansão de armazenamento, a câmera e trazendo a TV digital, a segunda geração do Moto veio para assustar a concorrência. O desempenho e a tela ainda são os mesmos: ótimos para rodar aplicações pesadas e assistir vídeos e filmes se torna uma experiência muito legal. Dual-chip e TV se tornam muito atrativos para consumidores que ainda podem desfrutar de um ótimo smartphone.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Olli, um ônibus elétrico reciclável

Uber entra em guerra contra seus concorrentes