Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

A Árvore de Natal


          Civilizações antigas que habitaram os continentes europeu e asiático no terceiro milênio antes de Cristo já consideravam as árvores como um símbolo divino. Eles cultivavam-nas e realizavam festivais em seu favor. Essas crenças ligavam as árvores a entidades mitológicas. Sua projeção vertical desde as raízes fincadas no solo, marcava a simbólica aliança entre os céus e a mãe terra.
     Na Assíria a deusa Semiramis havia feito uma promessa aos assírios, de que quem montasse uma árvore com enfeites e presentes em casa no dia do nascimento dela, ela iria abençoar aquela casa para sempre.
     Entre os egípcios, o cedro se associava a Osíris. Os gregos ligavam o loureiro a Apolo, o abeto a Átis, a azinheira a Zeus. Os germânicos colocavam presente para as crianças sob o carvalho sagrado de Odin.
     Nas vésperas do solstício de inverno, os povos pagãos da região dos países bálticos cortavam pinheiros, levavam para seus lares e os enfeitavam de forma muito semelhante ao que faz nas atuais árvores de Natal. Essa tradição passou aos povos Germânicos. A primeira árvore de Natal foi decorada em Riga, na Letônia, em 1510.
     No início do século XVIII, o monge beneditino São Bonifácio tentou acabar com essa crença pagã que havia na Turíngia, para onde fora como missionário. Com um machado cortou um pinheiro sagrado que os locais adoravam no alto de um monte. Como teve insucesso na erradicação da crença, decidiu associar o formato triangular do pinheiro à Santíssima Trindade e suas folhas resistentes e perenes à eternidade de Jesus. Nascia aí a Árvore de Natal.1
     Acredita-se também que esta tradição começou em 1530, na Alemanha, com Martinho Lutero. Certa noite, enquanto caminhava pela floresta, Lutero ficou impressionado com a beleza dos pinheiros cobertos de neve. As estrelas do céu ajudaram a compor a imagem que Lutero reproduziu com galhos de árvore em sua casa. Além das estrelas, algodão e outros enfeites, ele utilizou velas acesas para mostrar aos seus familiares a bela cena que havia presenciado na floresta.
     Há outras versões, porém, a moderna árvore de Natal teria realmente surgido na Alemanha entre os séculos XVI e XVIII. Não se sabe exatamente em qual cidade ela tenha surgido. Durante o século XIX a prática foi levada para outros países europeus e para os Estados Unidos. Apenas no século XX essa tradição chegou à América Latina.
    A prática de cultivar sempre-vivas especificamente para vender como árvores de Natal remonta a 1901, quando uma árvore da espécie Noruega Spruce foi semeada numa fazenda perto de Trenton, New Jersey . O mercado comercial para árvores de Natal tinha começado 50 anos antes, quando um agricultor da Catskill Mountains trouxe árvores de New York City para vender. Apesar destes esforços pioneiros, a maioria das pessoas ainda obtinham árvores de Natal selvagens, cultivadas nas florestas entre 1930 e 1940. Mais árvores foram cultivadas em plantações após a Segunda Guerra Mundial e na década de 1950, agricultores faziam corte e poda de árvores para atender aos pedidos dos clientes. O mercado de árvore de Natal germinou até os anos 60 e 70, mas a partir do final dos anos 80 em diante os preços e o mercado de árvores de Natal naturais diminuiu. No início do século 21, quase 98 por cento de todas as árvores de Natal naturais vendidas no mundo foram cultivadas em fazendas de árvores.
     O Cultivo da árvore de Natal é considerado uma cultura agrícola, silvicultura e horticultura, ocupação que envolve o pinho, abeto vermelho e abeto, árvores especificamente para uso como árvores de Natal.
     A primeira fazenda de árvores de Natal foi criada em 1901, mas a maioria dos consumidores continuou a obter as suas árvores em florestas até os anos 1930 e 1940. A agricultura da árvore de Natal já foi vista apenas como uma alternativa viável para a agricultura de baixa qualidade, mas essa percepção mudou dentro da indústria da agricultura. Para um melhor rendimento e qualidade, a terra deve ser plana ou suavemente ondulada e relativamente livre de detritos e vegetação rasteira.
     Uma grande variedade de espécies de pinheiro e abeto é cultivada como árvores de Natal, apesar de um punhado de variedades se destacarem em popularidade. Nos Estados Unidos, as espécies Douglas-fir, Scots Pine e Fraser Fir vendem bem. Nordmann Fir e Noruega Spruce vendem bem no Reino Unido, sendo este último popular em toda a Europa. Como todas as coníferas , as árvores de Natal são vulneráveis ​​a uma série de pragas .
     A fase final do cultivo, a colheita, é levada a cabo num grande número de maneiras; um dos métodos mais populares é a fazenda de árvores “corte você mesmo”, onde os clientes estão autorizados a percorrerem a fazenda, selecionarem sua árvore, e cortá-la eles mesmos. Outros agricultores a cultivam as árvores em vasos, com raízes com torrões, que podem ser replantadas depois do Natal e usadas ​​novamente no ano seguinte.

Postar um comentário