Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Por que elas devem ter câmera






Samsung pode estar se preparando para um futuro sem Android


     Uma das principais características dos novos smartphones Galaxy S6 e o Galaxy S6 Edge foi a adoção de uma nova interface de usuário. A Samsung fez grandes progressos ao tornar o TouchWiz muito mais amigável, tanto em seu design, quanto nas configurações originais e apps. No entanto, de acordo com uma matéria do blog Tizen Indonésia, a nova e simplificada plataforma do TouchWiz pode não ter sido inteiramente inspirado no Material Design do Google para dispositivos Android.
     Ainda segundo a publicação, uma fonte ligada a Samsung Tizen sugere que a nova interface do TouchWiz, com seu design leve e nova paleta de cores, seria muito mais inspirada nos parâmetros do próprio sistema operacional da Samsung do que nas orientações de design do Google para o Android.
     O portal americano especializado em mobile SamMobile engrossou o coro e afirmou que “há vários elementos mais parecidos com o padrão da Tizen do que do Material Design, como cores mais brilhantes, avatares redondos em vez de quadrados e até mesmo o aplicativo de contatos“. Ao mesmo tempo, o portal lembra que a Samsung também utilizou elementos de design da Tizen no Galaxy S5, reforçando que a linha Galaxy S6 não foi a primeira fazer esse intercâmbio.
     Vários rumores sustentam que o Tizen OS da Samsung vem sendo preparado para ajudar a empresa a ser independente do Google, embora a plataforma da empresa sul-coreana ainda não seja boa o suficiente para fazer frente ao Android e iOS.
      Ainda assim, supondo que a Samsung realmente tenha utilizado elementos da Tizen para a nova interface TouchWiz do Galaxy S6, isso seria um indício de que a empresa de fato esteja explorando outras possibilidades para a construção de seus futuros smartphones.

Fonte: BGR.

terça-feira, 31 de março de 2015

XYFI é o menor hotspot pessoal do mundo


     A opção foi anunciada como XYFI (pronuncia ex-WiFi) no início desta semana com pouco alarde, mas despertou o nosso interesse com sua pretensão de ser o menor hotspot pessoal do mundo. O aparelho está fora do jogo de conectividade de dados de forma significativa, para o que parece ser  um segmento que já liderou com cerca de 70% de market share.
      O XYFI é realmente pequeno e, à primeira vista, parece um modem USB simples e não um ponto de acesso, que pode suportar até 8 conexões de internet via Wi-Fi ou conexão 3G. O plug USB gira aberto em estilo canivete e sua configuração de 4 etapas é bem rápida.
      Como você já deve ter percebido, o XYFI não tem uma bateria própria, mas sim depende de uma bateria externa de 4000mAh que, segundo a fabricante, você pode esperar que dure cerca de 8 horas. Opção de outros acessórios para o XYFI incluem um cabo para o carro e adaptador AC.
      Vamos admitir que a opção tenha ainda muito chão para caminhar no mundo do hotspot móvel, mas esta já pegou. Os preços chegam a US $ 100 para o XYFI.

Beleza rabiscada






Novas tecnologias permitirão testar teoria de Einstein comprovada em Sobral


      Há quase em século, um jovem físico suíço revolucionava a física com descobertas sobre a relação entre espaço e o tempo, desenvolvendo uma radical nova compreensão da gravidade. Em 1915, Albert Einstein publicou a teoria da relatividade geral, que descreveu a gravidade como uma propriedade fundamental do espaço-tempo. Ela veio descrita num conjunto de equações que relacionam a curvatura do espaço-tempo com a energia e o momento em que a radiação de uma matéria está presente em uma determinada região.
      Passados quase 100 anos, a teoria da gravitação de Einstein continua a ser um pilar fundamental da física moderna e tem resistido a todos os testes feitos por cientistas. No entanto, até recentemente não era possível fazer experimentos para investigar a teoria sob condições extremas. Agora, os cientistas finalmente têm a tecnologia para explorar todas as possibilidades descritas na teoria da relatividade geral comprovada em experimento em Sobral, no Ceará.
. A grandiosidade do trabalho de Einstein impressiona até mesmo a comunidade científica: “Para mim, é absolutamente incrível como a relatividade geral fez depois de 100 anos“, afirma Clifford Will, físico teórico da Universidade da Flórida. “O que ele escreveu no início do século passado é a mesma coisa que usamos hoje“, disse em entrevista à publicação científica Live Science. A relatividade geral foi confirmada em Sobral por inúmeras observações e embora nunca tenha havido “um fragmento de evidência” de que há algo errado com a teoria, Will acredita que “é importante para testar a teoria em regimes em que não tenha sido testado antes“.
     Sabemos que a relatividade geral funciona muito bem para a força da gravidade “comum”, vivida por seres humanos na Terra ou por planetas do sistema solar. No entanto, a teoria nunca foi testada em campos com forças gravitacionais extremamente fortes. A melhor perspectiva para testar a teoria nestas condições é procurar ondulações no espaço-tempo, conhecidas como ondas gravitacionais, que podem ser produzidos por eventos violentos, como a fusão de dois corpos maciços, buracos negros ou objetos extremamente densos (como uma estrelas de nêutrons).
     O desafio, até hoje, era desenvolver uma tecnologia capaz de captar e estudar as ondas gravitacionais. A tarefa parece ter sido solucionada pelo Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferômetro Laser (The Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory – LIGO), com instalações em Richland, Washington, e Livingston na Louisiana, usa lasers para detectar minúsculas distorções em 2 longos detectores em forma de L. Conforme as ondas passam pelos detectores é possível esticar e comprimir o espaço, gerando uma medição.
     O LIGO iniciou suas operações em 2002 e não foram detectadas ondas gravitacionais. Em 2010, ele foi desativado para melhorias. Seu sucessor, conhecido como Advanced LIGO, está programado para entrar em funcionamento no final deste ano. Há uma série de outras possíveis experiências que poderiam ser feitas para detectar ondas gravitacionais. Uma delas seria olhar para as propriedades das ondas gravitacionais polarizadas, que assim como a luz, poderia ser observada através de um par de óculos polarizados (devidamente desenvolvido).
     No entanto, mesmo que os cientistas consigam detectar as ondas gravitacionais, Will espera que eles só venham reforçar as teorias de Einstein: “Minha opinião é: vamos continuar provando a validade da relatividade geral“. Sendo assim, por que se preocupar em fazer esses experimentos? “Um dos objetivos fundamentais da física é encontrar uma teoria que una a relatividade geral, o mundo macroscópico, a mecânica quântica e o mundo microscópico. No entanto, encontrar uma tal teoria – conhecida como a gravidade quântica – pode exigir algumas modificações na relatividade geral.” completou Will.

     A ciência é o produto de milhares de mentes e esforços de homens e mulheres através do tempo. Mas é impossível não individualizar a genialidade de alguns homens, como Albert Einstein. Homens que como Nietzsche bem definiu em Ecce Homo “nascem póstumos” e demoram mais de 100 anos para serem compreendidos.


 Museu do Eclipse em Sobral


Visita ao Museu do Eclipse em Sobral


segunda-feira, 30 de março de 2015

As melhores fotos da semana no Pinterest











Eu estaciono feito um idiota









Decretado o fim do Internet Explorer


     A Microsoft anunciou que irá parar de produzir novas versões para o Internet Explorer. A empresa já havia dado algumas dicas de que isso aconteceria ao anunciar seu novo navegador para o Windows 10, chamado provisoriamente de Project Spartan, mas dessa vez um comunicado oficial decretou o fim do navegador.
     O IE foi descontinuado, pois, de alguns anos para cá, ele perdeu quase toda a relevância como navegador para o grande público. As pessoas não o utilizavam, considerando o aplicativo lento e antiquado, sendo alvo de críticas e piadas constantes. A Microsoft tentou revitalizar a marca fazendo uma campanha de marketing, mas não deu em nada.
     O chefe de marketing da Microsoft, Chris Capossela, anunciou que irá anunciar o nome e logo oficial do Project Spartan, assim que terminarem uma pesquisa de mercado. A única coisa que se sabe é que eles irão tentar ao máximo se distanciar do nome e da imagem do malfadado Internet Explorer. Entretanto, o IE não irá sumir completamente, estando presente em algumas configurações do Windows 10, só que mais voltado para o uso de empresas.

domingo, 29 de março de 2015

O melhor da semana no meu Facebook













Um gesto de amor


Samsung Galaxy J1 é lançado no Brasil


     Mais um Galaxy está chegando ao Brasil: é o Galaxy J1, um smartphone acessível da Samsung com 4G e suporte a dois chips. O aparelho foi lançado no Brasil na segunda (16), trazendo display de 4,3 polegadas, 768 MB de RAM e Android 4.4 KitKat por R$ 679 no plano pré-pago da operadora TIM.
     O Galaxy J1 tem CPU quad-core de 1,2 GHz, câmera traseira de 5 MP com flash LED e frontal de 2 MP “ideal para selfies”, segundo a Samsung, tudo num corpo bem fino, com apenas 8,9 mm de espessura. No entanto, o armazenamento interno é de 4 GB (com suporte a microSD de até 64 GB), a tela TFT de 4,3 polegadas possui resolução de 800×480 pixels e a bateria tem capacidade de 1.850 mAh, abaixo da média do mercado.
     Segundo a TIM, o Galaxy J1 é considerado pela operadora o modelo 4G com o melhor custo-benefício do mercado. É difícil, entretanto, não compará-lo ao recém-lançado Moto E: mesmo considerado caro no lançamento, o rival produzido pela Motorola traz o quádruplo de armazenamento interno (16 GB), tela com maior definição, 1 GB de RAM e Android 5.0 Lollipop por R$ 20 a mais, embora sacrifique a resolução da câmera frontal e o flash LED na traseira.

sábado, 28 de março de 2015

Windows 10 usará menos espaço no seu disco rígido


     Se você estava precisando de alguns gigabytes extras, o Windows 10 pode ser a solução. A Microsoft está, aos poucos, liberando detalhes sobre seu próximo grande lançamento. Agora, compartilhou mais informações sobre como ele foi trabalhado para liberar mais espaço de armazenamento em computadores e telefones que executam o sistema operacional.
     Nesta segunda-feira (16), a empresa detalhou um novo algoritmo de compressão que salva 1,5 GB de armazenamento em máquinas de 32 bits e 2,6 GB em computadores de 64 bits. Os telefones que usam o sistema operacional também irão se beneficiar com a novidade. Com isso, os usuários terão mais espaço disponível para armazenar fotos, músicas, vídeos e muito mais.
     Isso acontece por dois motivos distintos e independentes: algoritmos de compressão e melhorias no sistema de recuperação. De acordo com a Microsoft, o Windows utiliza técnicas inteligentes para evitar um impacto no desempenho do seu dispositivo móvel ou desktop.
     Ao fazer o upgrade para o Windows 10, que será gratuito no computador e celular, o próprio equipamento será capaz de avaliar seu desempenho e, assim, determinar o fator de compressão a ser usado.
     Além disso, a Microsoft melhorou as ferramentas de recuperação do sistema operacional para usar menos espaço. Dessa forma, eles não necessitam mais de uma imagem de recuperação separada no disco para restaurar o Windows para seu estado original, oferecendo uma economia que que pode chegar a até 12 GB, dependendo da marca e modelo do dispositivo.
     Esse último recurso está disponível apenas para desktops, notebooks e tablets, pois os telefones já possuem uma solução de recuperação otimizada para armazenamento. A Microsoft também afirma estar trabalhando para conseguir oferecer a atualização aos dispositivos de baixa capacidade.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Chromecast agora é compatível com controle remoto das TVs


     O Chromecast ganhou recentemente uma funcionalidade interessante. A partir de agora, vídeos rodados no dongle usando vários aplicativos de streaming podem ser pausados ou tocados por meio do controle remoto da TV. O recurso já está disponível para uso e não requer qualquer atualização de software.
     Mas como o truque é feito se o Chromecast não tem receptor de infravermelho? O segredo está na tecnologia HDMI-CEC, capaz de enviar comandos do Chromecast para uma TV compatível e vice-versa. É assim que o dongle liga a TV ou muda de fonte HDMI, automaticamente, sempre que é ativado pelo celular.
     Para aproveitar a comodidade, é preciso saber se sua TV suporta o padrão HDMI-CEC, presente na maioria das TVs com entrada HDMI, fabricadas nos últimos anos, e ter um controle remoto com botões Play e Pause.
     No entanto, nem todos os apps para Chromecast estão operando o novo recurso. Até o momento, sabe-se que YouTube, Google Play Música, Allcast, TuneIn Radio e Chrome são compatíveis, deixando de fora apps populares como o da Netflix.