O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Impressora 3D que imprime lentes de contato inteligentes


     Se óculos no melhor estilo Google Glass já são uma invenção incrível, o que dizer de lentes de contato inteligentes? A ideia soa bastante futurista, mas já está sendo estudada por pesquisadores da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos. E esta não é a única parte interessante: os cientistas estão apostando em uma impressora 3D para produzir os componentes.
     Não é uma impressora 3D qualquer. Desenvolvido pelos próprios cientistas, o equipamento é capaz de imprimir compostos com LEDs minúsculos em vez de plástico ou outros materiais sólidos mais comuns. No caso das lentes em questão, a impressora faz com que elas sejam constituídas por cinco camadas.
     A primeira é uma espécie de anel de nanopartículas de prata que serve como meio condutor de um circuito. As duas camadas conseguintes, feitas de polímero, têm entre as suas funções transferir corrente elétrica para a quarta camada que, por sua vez, contém os elementos que correspondem aos LEDs. A última e mais externa camada funciona como cátodo.
     Com os devidos ajustes, estes materiais podem fazer com que as lentes exibam informações luminosas ao utilizador. Não é de se estranhar, portanto, que a Força Aérea dos Estados Unidos esteja financiando o projeto: a instituição espera que pilotos de caça possam se beneficiar da invenção.
     Além de fornecer informações importantes para o sucesso de missões, sensores nas lentes conseguiriam detectar o estado de saúde do piloto – biomarcadores em fluídos oculares podem constatar fadiga, por exemplo.
     Mas, até que a invenção possa ser efetivamente usada para as finalidades esperadas, há um longo caminho a ser percorrido. Entre os desafios está o de fazer com que as lentes se encaixem perfeitamente, já que o formato do globo ocular varia de pessoa para pessoa.
     Há também preocupação com possíveis efeitos adversos. O seleneto de cádmio, usado na camada de LEDs, pode causar problemas de saúde, por isso, é necessário garantir segurança na aplicação do material.
     Fontes de energia e mecanismos de comunicação também fazem parte do rol de desafios aos cientistas. Mas são preocupações para as etapas seguintes. Por ora, eles podem comemorar o desenvolvimento bem sucedido da impressora.



A impressora 3D levou dois anos para ficar pronta

Fonte: CNET, NewScientist

Beleza rabiscada








Veja o que este maluco fez, colocando foguetes em sua bicicleta.


     O francês Francois Gissy quebrou o recorde da bicicleta mais rápida do mundo ao alcançar 330 km/h em 4,8 segundos, ultrapassando a Ferrari F430 — que consegue fazer aproximadamente 100 km/h em 4 segundos.
     A proeza foi possível graças aos foguetes (ou melhor, tanques com peróxido de hidrogênio altamente concentrado) implantados na bicicleta por Arnold Neracher, amigo de Gissy, e um dos fundadores da Exotic Thermo Engineer.
     E se você pensa que essa velocidade já está boa (e é até um pouco assustadora), Gissy afirma que seu objetivo é alcançar o dobro de aceleração. “Se conseguirmos encontrar patrocinadores sérios, gostaríamos de construir uma bicicleta monstruosa”, revelou o francês para a Gizmag. “Ela se chamaria Spine Crusher e o objetivo seria acelerar a mais de 400 km/h em menos de 2 segundos”.


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

24 modelitos para a noite de Natal ou... para um jantar de confraternização do PT


     Para as mulheres que dizem que o blog só tem postagens para o público masculino, vai aí uma especial só para elas. São 24 modelos de vestidos para a noite de Natal, especialmente escolhidos pela assessoria de moda do blog. 
























Eu estaciono feito um idiota











AeroMobil mostra nova versão do seu carro voador


     Estar distante dos carros autônomos e motores elétricos do Vale do Silício não impediu a startup eslovaca AeroMobil de chocar o mundo automotivo com o anúncio de um carro capaz de voar durante feira Pioneers Festival que acontece hoje. Veja o vídeo abaixo.
      Esta é não é a primeira versão do automóvel que está em desenvolvimento há 25 anos, mas, aparentemente, o protótipo apresentado hoje não está distante da versão final que será comercializada. Segundo a empresa, o veículo já está passando por um processo de validação pela agênia de regulação aérea da Eslováquia e, considerando que um modelo anterior, de 2013, já havia sido aceito, tudo indica que logo motoristas poderão alçar voo no céu da Europa Central.
      O carro em si é basicamente um modelo esporte com asas retrateis. Ele é feito com um composto de fibra de carbono extremamente leve e resistente. O carro atinge velocidades de 200 km/h com uma autonomia de 692 km e pode ser abastecido com gasolina convencional. Quando as asas estão abertas, ele possui uma envergadura de pouco mais que 8,2 m e o “cockpit” tem lugar para o motorista e um passageiro. O carro também possui um sistema sofisticado de autopiloto e, naturalmente, um mecanismo de paraquedas.
     A ideia dos criadores é vender o veículo para países em desenvolvimento,  como é o caso da própria Eslováquia, onde a infraestrutura de estradas é muito precária. Ainda não há preço ou data de lançamento definidos.


domingo, 23 de novembro de 2014