Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Fechar sites de pirataria não funciona


     Site pirata bom é site pirata “morto“. Essa é a linha de pensamento que associações como RIAA e MPAA defendem. Mas será que uma medida tão extrema resolve o problema da pirataria? A Comissão Europeia fez um estudo para descobrir. A resposta é um sonoro “não”.
     A gente já sabia. O Capitão Óbvio também. Mas levantamentos como esse ajudam autoridades e a própria indústria a compreender melhor a dinâmica do problema e, eventualmente, a buscar soluções razoáveis para todo mundo.
     Para chegar à conclusão, pesquisadores da Comissão Europeia analisaram estatísticas referentes ao site de streaming Kino.to. O serviço era bastante popular em certos países da Europa, mas foi fechado pela polícia em 2011, com direito a prisões de integrantes e apreensão de computadores.
     Os analistas perceberam que, tendo como base um grupo de 5 mil usuários alemães identificados como usuários do Kino.to, a procura por conteúdo ilegal caiu drasticamente depois do fechamento. Mas apenas por poucos dias.
     Nas primeiras quatro semanas após o encerramento do site, a queda no consumo de pirataria chegou a 30%. Seria um número expressivo se essa massa de usuários tivesse migrado para serviços considerados legais, mas a procura por plataformas legítimas aumentou apenas 2,5% no período.
     A Comissão Europeia descobriu ainda que, além de não ter ajudado a diminuir os índices de pirataria, o fechamento do Kino.to estimulou a criação não de um, mas de vários sites alternativos. Juntos, esses serviços passaram a atender toda a base de “órfãos” do Kino.to. Como houve fragmentação, a identificação e o monitoramento desses sites ficaram mais difíceis.
     Os pesquisadores tomaram o cuidado de ressaltar que a análise deve ser vista com cuidado. O levantamento não verificou, por exemplo, se houve aumento no consumo de conteúdo em mídia física após o fechamento do Kino.to. Mas a gente sabe bem que eles não estão errados: se um site de download ou streaming ilegal sai do ar, outras opções aparecem.
     A pirataria é um problema crônico, mas que pode ser amenizado com a oferta de ampla variedade de conteúdo e preços acessíveis, por exemplo. Netflix e Spotify estão aí para provar.
     Mas esse é um caminho que cabe à indústria do entretenimento trilhar. Para a Comissão Europeia, o estudo ajuda a mensurar os efeitos das ações das autoridades no longo prazo e a estimar quão crescentes são os custos dessas abordagens, afinal, quanto mais fragmentação houver nas fontes de pirataria, mais recursos devem ser alocados se a estratégia de combate ao problema não mudar.

Fonte: TorrentFreak
Postar um comentário