Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

A decadência dos HDs


     Desde o primeiro computador pessoal, ainda nos anos 1980, os discos rígidos, que chamamos de HD, (Hard Disc), são os responsáveis pelo armazenamento de dados. Mas a tecnologia avança e, hoje, os SSDs são a opção para quem quer um computador com ótimo desempenho.
    A mesma lógica vale para os HDs externos. Com o tempo, pendrives, que nada mais são do que SSDs portáteis, ganham mais capacidade e podem acabar disputando o espaço com os discos rígidos convencionais.
     Essas duas tecnologias convivem no mercado há alguns anos. Até aqui, os SSDs não foram capazes de tornar os HDs inviáveis. Mas a tecnologia continua evoluindo e a perspectiva de preços mais atraentes pode mudar esse cenário.
      as razões para que os discos rígidos magnéticos não tenham sido aposentados, estão os preços das duas tecnologias e algumas limitações presentes nos SSDs, que tornam essa solução ainda restrita e distante da realidade de uso de muita gente.
     Os HDs são equipamentos constituídos de uma placa eletrônica que abriga os controladores, que são responsáveis pelo funcionamento do dispositivo, e do disco rígido propriamente dito: um, ou vários, discos cobertos de uma camada de material magnético, responsável por manter os dados gravados e disponíveis para a escrita.
     Já o SSD é uma sigla, do inglês, para disco de estado sólido (Solid State Disc). Em linhas gerais, o SSD é como um grande pendrive: ele guarda arquivos em chips de silício, assim como um cartão SD ou pendrive comum. Isso faz do SSD uma unidade de alta velocidade e de maior confiabilidade. O problema, aqui, são os custos.
     Tecnologias substituem umas às outras e o futuro para os HDs só será mais sombrio quando os preços dos SSDs caírem. Até lá, o chamado custo por GB ainda é imbatível para a maioria dos usuários, que precisam de discos para guardar dados. A Seagate, por exemplo, acaba de anunciar um HD de 8 TB por US$ 260 (R$ 678, em conversão direta). Oito SSDs de 1 TB custariam muito mais do que 10 vezes esse valor.
     Ao mesmo tempo, a Samsung traz ao mercado o novo Evo 850, que faz uso da tecnologia de chips em 3D. A Samsung está tão confiante na nova tecnologia que comercializa o dispositivo com garantia de cinco anos. A questão, como sempre, é o preço: a versão Pro, com garantia de 10 anos, custa US$ 650 ou R$ 1.691,00.
     Mas isso não significa que os SSDs sejam a melhor solução possível. A tecnologia continua progredindo e novas pesquisas em torno de soluções de armazenamento de dados, em breve, podem mudar tudo.
     Há promissoras linhas de pesquisa para o desenvolvimento de mídias de armazenamento holográficas. Recentemente, a IBM divulgou informações sobre o desenvolvimento de um tipo de memória chamada de Racetrack, que usa a orientação de pequenos ímãs para reter informações e que teria a capacidade de superar em 100 vezes o poder de armazenamento dos HDs, sem o uso de partes mecânicas e com a garantia de serem usadas indefinidamente.



Postar um comentário