Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

A ciência do amor



     O que o significa o amor do ponto de vista biológico e o que a cocaína tem a ver com isso?
     Quando você pensa sobre isso, o conceito de amor está totalmente entrelaçado com a sobrevivência de nossa espécie. Se nenhum de nós sentisse amor a espécie humana iria morrer muito rapidamente.
     Desde o primeiro microorganismo que descobriu como dividir-se em dois seres até aos nossos primeiros ancestrais humanos, todos nós viemos de uma linha longa e ininterrupta de reprodutores de sucesso.
     Mas o amor, é claro, não diz apenas respeito à atração necessária que facilita a reprodução. Ele também desempenha um papel crucial para garantir que os resultados dos nossos pares - ou seja, bebés adoráveis ​​- realmente sobrevivam o tempo suficiente para se reproduzirem também.
     Enquanto o amor é tradicionalmente associado ao coração, o cérebro é, na verdade, o verdadeiro lugar do amor. E, curiosamente, quando os cientistas mapearam o cérebro de pessoas que são recém-apaixonadas e de pessoas viciadas em cocaína, eles não diferem tanto assim.
     A cocaína funciona ao reduzir o limiar necessário para ativar os centros de prazer no cérebro, o que significa que você pode se sentir realmente bem, com mais frequência, e mais facilmente do que quando você não consome. Aparentemente, o mesmo efeito pode ser visto no cérebro de pessoas apaixonadas.
     De fato, as mesmas substâncias químicas no cérebro são ativadas - dopamina e norepinefrina. E esses produtos químicos podem estimular a necessidade ou desejo, para estar com a pessoa que ama cada vez mais. O amor romântico não é simplesmente uma emoção, é uma unidade do motor da mente.
Postar um comentário