Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

segunda-feira, 9 de março de 2015

Descoberta cidade perdida na floresta tropical das Honduras

      Imagem meramente ilustrativa


     Uma expedição arqueológica a uma antiga cidade perdida no leste das Honduras está de volta com novas descobertas emocionantes.
     Os exploradores voltaram com um tesouro de imagens, que ainda mal arranharam a superfície do que a cidade tem para revelar sobre uma cultura tão esquecida que ainda nem nome tem.
     As descobertas incluem 52 objetos que estavam semi enterrados no solo, no que parece ter sido um ato de sacrifício diante de um templo.
     Entre eles está uma cabeça esculpida que se pensa representar uma combinação de recursos humanos e de Jaguar. Presume-se que muito mais artigos estejam enterrados no solo.
     A matemática extraordinária e a arquitetura da cultura maia da América Central alcançaram fama considerável em todo o mundo. No entanto, pouco depois da sua civilização clássica entrar em colapso, uma cultura, talvez com igual significado, emergiu a leste dos maias, tendo-se mantido quase inteiramente desconhecida até agora.
     Christopher Fisher, da Universidade Estadual do Colorado, tinha ouvido rumores de uma cidade chamada "Cidade Branca", ou "Cidade do Deus Macaco", que estava perdida algures na floresta tropical, de tal forma que a sua localização era desconhecida, pelo menos para os forasteiros, até 2012, quando o mapeamento LiDAR aerotransportado revelou a provável presença da cidade.
     Essas imagens mostravam sinais de edifícios que se estendem ao longo de uma grande faixa da margem do rio. Quando Fischer e os seus colegas entraram na cidade perdida, eles descobriram que o seu isolamento foi tão grande que escapou a saques durante cerca de 600 anos, desde que foi abandonada.
     "Esta é claramente a floresta tropical mais imperturbável da América Central", disse o etrnobotânico Mark Plotkin, da Amazon Conservation Team, e cujo fotógrafo acompanhou a equipa. A cidade perdida pode soar como algo de um filme de Indiana Jones, mas há três anos Fisher documentou uma cidade Purépecha no México, que sediou uma civilização que rivalizava com os astecas.
     A equipe de arqueólogos acredita que a mais recente descoberta é uma das várias cidades escondidas na floresta que têm dado coletivamente origem às lendas da Cidade Branca da região de La Mosquitia, nas Honduras. A civilização que construiu a cidade terá florescido entre 1000 e 1400 dC.
     A causa da sua morte é desconhecida, e quase tudo o que podemos conjecturar sobre eles vem dos resultados desta escavação e de comparações com culturas vizinhas da mesma época. Um dos objetos mais memoráveis ​​descoberto é um "jaguar-homem" que "parece estar a usar um capacete", disse Fisher, e que pode representar um xamã num estado de espírito.
     Outros achados no local incluem vasos esculpidos com representações detalhadas de animais e combinações de humanos e animais. Nenhum dos itens foi removido, mas imagens detalhadas foram tiradas, embora a maioria delas ainda não esteja disponível ao público. O isolamento do local tem sido o seu maior aliado mas os pesquisadores temem que isso não possa durar.
     Apesar de eles terem mantido em segredo o local para evitar saques, as florestas das Honduras estão a ser rapidamente destruídas para pastar o gado, e há temor de que a cidade seja revelada por algum fazendeiro ganancioso que chegue à região. A descoberta da cidade antiga é uma consequência dos esforços de Steve Elkins e Bill Benenson, que identificaram a localização potencial e organizaram o mapeamento aéreo.

Fonte: iflscience
Postar um comentário