Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Robôs – Os professores do futuro


     No futuro, o dia dos professores poderá ser mais robótico do que humano, já que os alunos irão cada vez mais aprender com robôs sociais, afirmam cientistas.
     Especialmente crianças aprendendo habilidades pré-escolares e alunos de todas as idades que estudam uma língua nova, poderão usufruir de professores robôs.
     Este é apenas um dos cenários esboçados num ensaio que olha para uma "nova ciência da aprendizagem", que reúne as descobertas recentes de campos da psicologia, neurociência, aprendizagem de máquina e educação.
     O ensaio, publicado na revista Science, apresenta novos insights sobre como os seres humanos aprendem agora e poderão aprender no futuro, com base em vários estudos, incluindo alguns que documentam a quantidade incrível de desenvolvimento cerebral que ocorre em recém-nascidos e, mais tarde, na infância.
     A premissa para o novo pensamento: Nós seres humanos nascemos imaturos e naturalmente curiosos e ficamos criaturas capazes de realizações culturais altamente complexos - tais como a capacidade de construir escolas e sistemas escolares que podem ensinar coisas.
     Com uma maior compreensão de como esse aprendizado acontece, os cientistas estão chegando com novos princípios para a aprendizagem humana, novas teorias educacionais e projetos para ambientes de aprendizagem que melhor combinam com a forma de aprender melhor.
     E os robôs sociais têm um papel potencialmente crescente nestes ambientes de aprendizagem futuros. Os mecanismos por trás dessas máquinas sofisticadas aparentemente complementam alguns dos mecanismos por trás da aprendizagem humana.
Aprendizagem de máquina
     Nos primeiros 5 anos de vida, a nossa aprendizagem é "exuberante" e "sem esforço". Durante a infância e até a puberdade, nossos cérebros exibem "plasticidade neural" - sendo mais fácil de aprender línguas. É quase mágico como podemos aprender uma língua estrangeira.
     O nosso aprendizado precoce é computacional. Crianças menores de três e até mesmo os bebês usam pensamento estatístico, nomeadamente distribuições de frequência e probabilidades e covariação, para aprender a fonética da sua língua nativa e inferir relações de causa e efeito no mundo físico.
     Algumas dessas descobertas ajudaram os engenheiros construir máquinas que possam aprender e desenvolver habilidades sociais, como BabyBot, uma boneca treinada para detectar rostos humanos. A imitação é um componente- chave para o nosso aprendizado.
     Trata-se de uma maneira mais rápida e segura de aprender do que apenas tentar descobrir alguma coisa por nós mesmos. Mesmo como adultos, nós usamos a imitação quando vamos para uma nova configuração, como um jantar em um país estrangeiro, para nos adaptarmos.
     Se colocarmos todos esses recursos de aprendizagem humana no campo da robótica, há uma sobreposição de certa forma natural - os robôs são bem adaptados para nos imitar, aprender conosco, socializar com a gente e, eventualmente, nos ensinar, dizem os pesquisadores.
Professores robôs
     Robôs sociais estão sendo usados ​​em caráter experimental para ensinar várias habilidades aos pré-escolares, incluindo nomes das cores, novas palavras e canções simples. No futuro, os robôs serão usados ​​somente para ensinar certas habilidades, como a aquisição de uma língua estrangeira.
     Ainda assim, as crianças aprendem claramente melhor com outras pessoas e nos jogos de pares, sendo que uma educação totalmente baseada nos robôs será provavelmente inviável, apesar do seu menor custo comparativamente aos humanos.

Fonte: Livescience
Postar um comentário