Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

O homem e suas estranhas máquinas voadoras


     Com o estranho apelido de “púlpito voador” esta curiosa aeronave entrou para o panteão das aeronaves mais esquisitas já feitas na Terra.
     Seu nome verdadeiro era mais legal: Williams X-Jet.
     A principal característica desta curiosa aeronave é que ela não tinha asas e nem hélices ou rotores aparentes. O visual lembrava um barril voador, e era (ainda é) muito associado a um Ufo.
     O barril voador podia se mover em qualquer direção, acelerar rapidamente, podia estacionar no ar e também girar sobre seu eixo, ficando no ar por até 45 minutos. Ele permitia seu piloto a trafegar a velocidades de até 60 milhas por hora (100 km / h).
     Mas com todas essas vantagens, por que diabos o púlpito voador não deu certo?
     A explicação disso envolve a gênese do projeto. Criado como uma aeronave militar, ele se revelava um conceito frágil, porque deixava o piloto Exposto para qualquer atirador distante brincar de tiro ao alvo. Os motores que mantinham o equipamento no ar também emitiam muito barulho para que ele operasse de forma discreta, atraindo a atenção para o aparelho. Outro calcanhar de Aquiles do projeto, é que ele só levava um passageiro, que era o piloto. A maquina não tinha motores suficientes para transportar cargas, conferindo a ela um papel quase de enfeite para aplicação num conflito real.
     O aparelho foi avaliado pelo Exército dos EUA na década de 1980, e foi considerado inferior às capacidades de helicópteros e pequenas aeronaves não tripuladas.
     No entanto, eu creio que o curioso equipamento nunca foi visto sob a ótica da diversão. Ele poderia ser muito útil para diversos pesquisadores, como os que estudam as copas das árvores, ou que pesquisam em áreas de difícil acesso. Esse tipo de equipamento teria aplicação como equipamento de recreação, quase como um carro voador dos Jetsons.

Fonte: Mundo Gump
Postar um comentário