Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Ijen: A mina de enxofre vulcânico de Java Oriental, na Indonésia


     A província indonésia de Java Oriental é o lar do vulcão Ijen. O vulcão tem uma enorme cratera que forma um lago de ácido turquesa no topo de uma subida de duas milhas. Centenas de pessoas visitam o local todo dia. Em torno do lago, homens e meninos exploram a mina de enxofre, que é então levado em suas costas, pelo lado do vulcão. Para eles, o vulcão representa a sua subsistência. Para os visitantes, no entanto, pode parecer uma visão de Dante ou Bunyan.
     Pelos padrões do mundo desenvolvido, o salário que mineiros recebem é baixo, com média de cerca de US$12,00 por dia. Mesmo em Java Oriental, onde pode ser considerada uma taxa relativamente alta de salário, muitos só iriam considerar este tipo de trabalho, como um último recurso. Inúmeros mineiros estão fisicamente deformados. O preço que pagam é alto, por carregarem o peso em seus ombros ao longo de meses e anos, para não mencionar a exposição à atmosfera tóxica ao redor da cratera. Mesmo depois de terem deixado a cratera, o enxofre ainda precisa ser transportado por mais dois quilômetros, antes de ele ser vendido.
     A venda é a última parte de um conjunto complexo de atividades. Antes o enxofre deve ser passado para o outro lado da montanha de onde foi extraído. A maneira como isso é feito é fascinante, mas altamente perigosa. Os gases que escapam do vulcão são canalizados através de tubos de cerâmica.
     O enxofre deve ser filtrado de terra e pedras. O enxofre final vai ser utilizado para a vulcanização de borracha, o branqueamento de açúcar, e fabricação de  pesticidas. No entanto, primeiro deve fazer o seu caminho para fora da montanha vulcânica.
     O enxofre, que neste momento é gasoso, começa a solidificar, e é derramado nos tubos em sua forma fundida, cor de escarlate. Em seguida, vai para piscinas na superfície e se torna dura enquanto esfria, transformando em um amarelo brilhante que você pode ver nas fotos. Quase 70 toneladas são depositadas deste modo a cada dia.
     Uma vez que tenha arrefecido, em seguida, os mineiros vão rompê-lo em pedaços grandes e podem começar a sua jornada para o outro lado do vulcão. Cabe aos mineiros transportar os pedaços de enxofre em cestos, que podem pesar até 90 quilos (200 libras).
     Isso tem que ser levado para cima em primeiro lugar, à borda da cratera, seguindo o caminho designado "seguro". Então eles descem a montanha por mais dois quilômetros, até a plantação onde são vendidos.
     Não é novidade que os mineiros que trabalham nessas condições desesperadamente duras, sofrem de uma série de condições respiratórias - muitos deles não podem ou escolheram não pagar muito por roupas de proteção. Não é só isso, um número de 200 mineiros que trabalham em Ijen sofrem de problemas nas costas causadas pelo peso absoluto do enxofre que carregam, descendo a montanha duas vezes por dia. Alguns chegam a trabalhar com os pés descalços.
     Não há nenhum equipamento de segurança ou de mecanização. Não é de admirar que, mesmo com essas centenas de homens trabalhando intensamente, 20 por cento do enxofre extraído no Ijen a cada dia, é recuperado. Daí presume-se que sempre haverá trabalho nesta montanha.
     É o maior lago altamente ácido no mundo. O seu pH é de 0,5 devido ao ácido sulfúrico que contém. Durante a noite, muitas vezes é comum o aparecimento de um fogo azul na sua superfície. Este é o ácido sulfúrico, que se inflama, quando então é lançado da cratera com temperaturas de até 600 graus Celsius. As chamas muitas vezes podem chegar a cerca de 20 metros de altura.













Postar um comentário