Ciência - Extrovertidos adoram festas, introvertidos as evitam


   Extrovertidos e introvertidos diferem fortemente na forma como os seus cérebros processam as experiências gratificantes, sugere uma nova pesquisa.
     O estudo, publicado a 13 de Junho, na revista Frontiers in Human Neuroscience, descobriu que as pessoas extrovertidas são mais propensas a associar a sensação de bem-estar química do cérebro com o ambiente em que estão no momento.
     As descobertas podem ajudar a explicar por que os extrovertidos procuram as festas, enquanto os introvertidos podem preferir uma xícara de chá tranquila em casa.
     Os cientistas sabem há muito tempo que os extrovertidos e introvertidos são diferentes em inúmeras formas, mas identificar os processos cerebrais envolvidos provou ser mais complicado. Os pesquisadores descobriram que os extrovertidos preferem a gratificação imediata e concentram-se mais no rosto.
     Na outra extremidade do espectro, os introvertidos tendem a ser dominados pelo excesso de estimulação e prestam mais atenção aos detalhes, o que se reflete no aumento da atividade cerebral durante o processamento de informação visual.
     Para desenterrar as raízes de extroversão no cérebro, Fu Yu e Richard Depue, neurobiólogos da Universidade de Cornell, em Nova York, deram a alguns participantes Ritalina, um estimulante usado para tratar o transtorno de défice de atenção, ou TDAH.
     Para aumentar a atenção a Ritalina estimula a libertação da sensação de bem-estar da dopamina, que é conhecida por desempenhar um papel importante na recompensa e motivação. Ao mesmo tempo, os participantes observaram vídeos num ambiente de laboratório.
     Depois disso, a equipe testou o quão fortemente os participantes associaram os vídeos e o meio ambiente ao bem-estar de dopamina induzida pela Ritalin. Para isso, eles testaram traços inconscientes, tais como a memória de trabalho, a velocidade numa tarefa dedo e o comportamento.
     Estudos anteriores mostraram que quando os seres humanos e outros animais associam um ambiente ou sugestão com uma experiência positiva, eles se movem mais rápido, têm melhor memória e atenção visual, e uma atitude mais positiva.
     Com base nestas medidas, os extrovertidos fortemente associaram o seu ambiente e contexto com a recompensa, enquanto que os introvertidos mostraram pouca ou nenhuma associação, escreveram os pesquisadores no artigo. Os resultados sugerem que os efeitos da Ritalina sobre o sistema de dopamina não se traduziu em recompensa ou motivação para os introvertidos.
     Isso sugere que os introvertidos têm uma diferença fundamental em quão fortemente eles processam as recompensas do seu ambiente, com o cérebro dos introvertidos a pesar os sinais internos mais fortemente do que a motivação externa e os sinais de recompensa, escrevem os pesquisadores no artigo.

Comentários