Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

domingo, 28 de julho de 2013

Anatel quer que operadoras ofereçam cancelamento de linhas pela internet


     Você liga para a sua operadora, disca 3, depois 2, depois 6, ouve uma musiquinha por 20 minutos, consegue enfim falar com alguém, diz que quer cancelar seu plano, o atendente diz que vai te transferir para o setor de cancelamento, você escuta mais uma musiquinha e… A ligação cai. Quem nunca passou por isso? Felizmente, uma decisão da Anatel poderá acabar com este problema. Ou ao menos amenizá-lo.
     Em entrevista dada ao Estadão, João Rezende, presidente da Agência Nacional de Telecomunicações, disse que está nos planos do órgão a aprovação dentro de 30 dias de um novo regulamento que facilitará a vida do consumidor que quiser cancelar um plano ou uma linha de telefonia.
     A ideia é a de que o usuário tenha a opção de cancelar seu plano a partir do site da prestadora, sem ter que encarar o torturante jogo de empurra-empurra dos call centers, assim como as insistentes propostas para que a linha seja mantida.
     A Anatel também estuda a opção de permitir que o cancelamento possa ser feito via telefone, mas de maneira totalmente eletrônica. Neste caso, o consumidor teria que digitar o número do seu contrato e seguir as orientações conseguintes para concluir o cancelamento, sem nenhuma interferência humana por parte da operadora.
     O próprio João Rezende reconheceu que as empresas de telecomunicações irão chiar, argumentando, por exemplo, que o novo regulamento poderá prejudicar os planos de fidelidade que têm como principal atrativo a oferta de aparelhos com preços mais atraentes, mas neste ponto o executivo foi taxativo: “é o risco do negócio”.
     A proposta é interessante e tal, mas temos que manter os pés no chão: mesmo que o regulamento seja aprovado, demorará para que suas normas vigorem, é necessário um longo estudo tecnológico para garantir a segurança dos procedimentos e, claro, deve haver regras sem brechas para evitar que as operadoras sabotem a ideia de alguma forma.
Postar um comentário