Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Olho grande – Netflix vai ficar mais cara


     O presidente da Netflix anunciou que a assinatura vai ficar mais cara nos próximos meses, inclusive para clientes baseados no Brasil. Reed Hastings disse que a alta será de algo entre um e dois dólares. Atualmente, a assinatura da Netflix brasileira sai por R$ 16,90 mensais. No pior dos cenários (alta de 2 dólares), o streaming de séries e filmes passaria a R$ 21,50 para novos clientes.
     Reed Hastings explicou, durante a apresentação dos resultados financeiros da companhia, que a mudança vale somente para futuros clientes. Aqueles que já têm uma assinatura vão continuar pagando o valor atual “por um tempo generoso”, de acordo com o executivo.
     Ok, o aumento de 2 dólares não chega a ser absurdo. Mas ainda assim, vai colocar a Netflix em desvantagem na comparação com o Hulu Plus nos Estados Unidos. A diferença é que este último cobra uma assinatura mensal e também mostra anúncios entre os episódios de seriados, prática descartada pela Netflix.
     Para que tal aumento? A Netflix tem intenção de investir mais em produção de conteúdo próprio. Basta lembrar o sucesso de House of Cards, drama político que recentemente chegou à segunda temporada. O sucesso da produção pode ser explicado pela coleta de dados feita pela Netflix. Eles sabem o que as pessoas assistem, do que gostam, quando pulam uma cena, e quantas estrelas deram para um episódio. Em posse de tantas informações, são capazes de produzir conteúdos milimetricamente calculados para divertir ou emocionar. A HBO, por exemplo, não conta com tal recurso.
     Parece que virou moda investir em produções próprias voltadas para vídeo sob demanda (on demand ou VOD). A Sony pretende lançar episódios de séries para sua loja virtual. A TV paga europeia Sky também tem a mesma intenção. Na vanguarda deste negócio, chegou a vez da Netflix pedir mais dinheiro para futuros seriados.
     Em relação aos resultados financeiros, o serviço de conteúdo em vídeo não tem do que reclamar. Os ganhos no primeiro trimestre foram de US$ 53 milhões, frente ao lucro de somente US$ 2,7 milhões no mesmo período de 2013. No mundo todo são 48 milhões de assinantes. Os americanos somam 36 milhões de clientes que pagam mensalmente à Netflix. A empresa tem mais de 1 milhão de clientes na América Latina.
Postar um comentário