Pin It button on image hover

O Blog do Bega

Sobral, onde a luz fez a curva.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Ondas cerebrais poderão substituir as senhas atuais


      A busca pela tecnologia que nos livrará das senhas avança em várias frentes. Uma delas está na Universidade de Binghamton, nos Estados Unidos. Pesquisadores da instituição acreditam que, em um futuro não muito distante, você poderá usar ondas cerebrais para se identificar.
     Parece coisa de filme de ficção, mas os experimentos realizados até o momento apresentaram resultados convincentes. O Brainprint, nome que os cientistas deram ao projeto, foi testado em 45 voluntários. O sistema conseguiu acertar a identificação dos participantes em 94% das tentativas.
     Nos testes, cada voluntário teve que ler 75 siglas conhecidas, como FBI e DVD. Ao mesmo tempo, sensores colocados na cabeça “gravaram” a reação do cérebro a cada grupo de letras. Com isso, os pesquisadores conseguiram comprovar que as pessoas têm atividade cerebral diferente para cada sigla.
     A diferença é tão grande de pessoa para pessoa que os cientistas entendem que as ondas cerebrais podem ser um método de identificação tão seguro quanto a impressão digital.
     Ou mais. Segundo Sarah Laszlo, uma das realizadoras do estudo, se os dados de impressão digital de uma pessoa forem interceptados, essa forma de identificação estará permanentemente comprometida para ela por uma razão óbvia: não é possível trocar as impressões digitais.
     No Brainprint é diferente. Na improvável hipótese de alguém conseguir capturar a “impressão cerebral”, o usuário poderá cancelar esse padrão e criar outro. Os cientistas não disseram como, mas uma das possibilidades presumíveis é a simples troca de siglas.
     A principal limitação do Brainprint é a necessidade de um equipamento específico para leitura de ondas cerebrais. Talvez seja por isso que Zhanpeng Jin, outro pesquisador do projeto, acredita que a tecnologia terá mais utilidade em aplicações de alta segurança – controle de acesso a departamentos de entidades governamentais, por exemplo.
     Mas há quem vê a identificação por sinais cerebrais fazendo parte da rotina de meros mortais como nós. Um exemplo vem da Universidade de Berkeley. Em 2013, a instituição apresentou o conceito de um headset com eletroencefalograma que lê padrões de ondas e, assim, poderia nos ajudar a fazer login em serviços online.
     Tanto em um caso como no outro, é melhor não manter expectativas para o curto prazo: muita pesquisa ainda precisa ser feita para a ideia chegar ao mercado (se é que um dia chegará). Até lá, convém continuar cuidando bem das senhas.

Fonte: TechCrunch
Postar um comentário