Cientistas criam células-tronco embrionárias


          Após várias tentativas fracassadas através dos anos, cientistas da Universidade de Saúde e Ciência do Oregon conseguiram pela primeira vez reprogramar células da pele humana para produzirem células-tronco embrionárias, as únicas que possuem o maior potencial de serem utilizadas em tratamentos médicos, pois se reproduzem numa taxa muito maior que outros tipo de células-tronco e podem se tornar qualquer tipo de células do corpo humano.
     A equipe liderada por Shoukhrat Mitalipov já havia conseguido realizar o mesmo com células de macacos, mas antes que alguém pergunte não foi possível até hoje clonar qualquer primata devido à biologia mais complexa, que dirá humanos. A experiência foi interrompida e as células removidas antes do estágio em que ele fosse definido como um embrião humano.
     A técnica consiste em remover núcleos de células da pele humana e transferí-las para um óvulo cujo material genético foi removido. Através de processos químicos disparados pelos pesquisadores, o núcleo da célula da pele se funde com o óvulo, que se desenvolve e passa a produzir células-tronco embrionárias, e como notado, “estas células-tronco obtidas com esta técnica demonstraram a capacidade de se diferenciar como células-tronco embrionárias normais em diferentes tipos de células, nervosas, hepáticas e cardíacas”, disse o doutor Mitalipov. E ainda acrescentou que como se usa material genético do doador, não há qualquer perigo de rejeição.
     A presente pesquisa é um raio de esperança para pessoas que sofrem de doenças degenerativas como Mal de Parkinson e Alzheimer, além de problemas congênitos no coração, esclerose múltipla, lesões na medula… entretanto é certeza que ela vai reacender a polêmica sobre a ética de se utilizar células-tronco embrionárias em tratamentos médicos, a velha discussão de quem compete criar vida ou não… pelo menos não podem dizer que embriões foram usados deliberadamente para tal; os óvulos sequer poderiam ser definidos assim.

Comentários